Que é a vida então?

Se não a expectativa da morte, que um dia chegará.

Que não tem dia e nem tem hora, mas sabemos estará lá!

Que é a morte então?

Se não a certeza única do futuro incerto?

Encarar, recuar, seguir ou parar.

Há tanta dúvida que paira no ar.

Enquanto vivemos, porém,

Sorrimos, choramos,

Glorificamos, sofremos,

Agradecemos!

Há hoje uma possibilidade única: Viver.

Um encontro, um afago,

Uma palavra, uma chegada,

Um sol, um brilhar,

No meu lugar, no seu lugar, no nosso lugar.

No lugar certo, cheio de sentido

Na presença do ser e do estar

Onde nos encontramos, onde vivemos,

Onde apenas somos em liberdade

Nossos próprios condutores.

Na certeza do fim, a certeza do hoje, simplesmente o melhor.

A porta se fechou e não houve tempo para despedidas.

Difícil entender por que a mim não foi dada a possibilidade de um último adeus.

Um último beijo sequer e um último abraço.

Perdas… Memórias… Distância…

Por que é necessário estar distante?

Por que é necessário o afastamento?

Dói estar longe, e por mais que seja difícil encarar, eu sei que vou superar.

Dói uma dor que não é explicável. Dói, e simplesmente dói!

Será que um dia esta dor vai embora? Me pergunto tantas vezes.

Uma voz traz sim à tona a necessidade de realizar sentido.

De viver, com…

Sim, eu cheguei

E olhei

Para trás

Abençoei

Cada passo

Cada momento

Cada realização

Cada topo e cada convés onde estive.

Uma certeza acalmou meu coração.

E aqui estou

Realizada

Emocionada

Concreta

Certa

Consciente de ser quem sou.

Posso agora, então

Contemplar o infinito do horizonte

E enxergar as minhas possibilidades.

Ei, senhora gaivota, espere por mim!

Voar não é meu destino já que asas não tenho.

Mas meus pensamentos são incontáveis.

“Emitir juízos coletivistas, serve afinal para fugir à responsabilidade de uma opinião pessoal. Ocorre assim que a maioria das pessoas hoje em dia não tem opiniões, as opiniões é que as tem. O ponto de cristalização da opinião coletivista são os slogans. Se eles não existissem, poderia surgir em lugar das generalizações totalitárias aquilo que tanto faz falta: a complementação integral dos pontos de vista.” — V. Frankl, O Sofrimento Humano, 2019, p.286

A frase acima resume todo o sentimento que perpetuou meu ser durante a explanação da professora Luciana Tellesna aula de Situações Limite II pela Casa do Sentido.

Quando comecei a estudar logoterapia, não muito tempo atrás, um grande propagador da mensagem de Frankl no Brasil trouxe a seguinte mensagem de Frankl: “quando somos tão duramente postos a prova… confesso que é nessa hora que tudo precisa ter um sentido.” Tempos depois encontrei o trecho no livro O que não está escrito nos meus livros, uma frase que ele disse ao seu amigo Paul Polak.

As provas que a vida nos coloca, a questão da finitude e um dos itens da Tríade Trágica elaborada por Frankl é certamente um desafio ao pensamento do ser humano. …

Sabemos que não precisamos sofrer, no entanto Frankl nos chama a atenção para o sentido que pode ser alcançado mesmo em meio a sofrimento. Nos últimos anos tenho me aperfeiçoado em diversas áreas do conhecimento, como Cuidados Paliativos, Luto, Psicologia Hospitalar, mas confesso que o ensinamento de Frankl fez muito mais sentido depois da aula de Situações-Limite apresentada por Sam Cyrous pela Casa do Sentido.

O professor Sam nos trouxe que quando falamos de sofrimento a luz da logoterapia falamos sobre a aceitação do sofrimento, sobre transcender o sofrimento. …

Um verdadeiro tornado chamado Lorena Bandeira, esta professora capaz de costurar as quatro pontas e de repente “tchan nam”. As nuvens se espaçam, e tudo fica claro como a luz do sol. Bem, esta foi a sensação da última aula que participei sobre Teoria e Terapia das Neuroses para o Curso de Formação Clínica em LAE da Casa do Sentido.

Tudo estava meio obscuro, meio confuso ainda. Afinal de contas, ler Teoria e Terapia das Neuroses de Viktor Frankl não é fácil. …

Presenciar o último módulo estudado no curso de Formação Clínica em LAE pela Casa do Sentido: Personalidade na Logoterapia foi de extrema importância. Tomar contato com as 10 Teses Franklianas sobre a pessoa mais uma vez e poder analisar em síntese as relações com a personalidade me fizeram caminhar num profundo de meu próprio eu e refletir sobre minha prática clínica.

Um contato a mais sobre as 10 Teses e um novo olhar para os mesmos conceitos: 1) a pessoa indivisível; 2) a pessoa insomável (a unidade do múltiplo e a multiplicidade do um; 3) a pessoa como um ser…

Em meio a nossa atualidade de extremos e tão pouco diálogo, pensar em como correntes filosóficas e psicológicas possam “dialogar” entre si passa a ser um desafio. Mas não o foi para nosso querido colega ao discorrer tão bem na matéria de Diálogo entre Correntes Psicológicas e Logoterapia para o curso de Formação Clínica em LAE pela Casa do Sentido.

Quando me formei, quase 20 anos atrás segui fluídos ‘behavioristas’. Era inexperiente e bastante racional, chegando até a ser cética demais. Numa mescla de teóricos como Watson e Skinner, sendo já muito observadora por natureza. Apenas pensava em aprendizagem, reforçamento…

Eu vim a este mundo para fazer diferente.

Sou um ser único, irrepetível, singular. Sendo assim não posso ser comparada aos demais. Não há ninguém igual a mim. E ainda que possamos ter frequentado as mesmas escolas, termos sido criados na mesma família, sendo expostos às mesmas experiências, utilizado as mesmas ferramentas, não seremos iguais.

Estou aqui porque eu sou diferente e me orgulho em ser diferente. Tal qual prezo pela minha liberdade e o direto de fazer à minha maneira, desde que respeitando a ética social. O meu direito e minhas vontades vão até o ponto de não agredirem…

Debora Torres (Career and Care)

Psicoterapeuta, Logoterapeuta, Apaixonada por indivíduos, Humana, Sorridente, Tornando cada dia melhor

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store